Publicidade


Caso Djidja: mãe e irmão de ex-sinhazinha serão indiciados por tortura com resultado de morte, tráfico e outros 12 crimes, diz polícia


  • Compartilhar com:
  • Whatsapp
  • Email

A mãe e o irmão da empresária e ex-sinhazinha do boi-bumbá Garantido, Djidja Cardoso, achada morta em Manaus, vão ser indiciados por tortura com resultado de morte, tráfico de drogas e outros 12 crimes. Com a conclusão do inquérito, a Polícia Civil deve indiciar, no total, 11 pessoas, conforme divulgou nesta quarta-feira (19) o delegado Cícero Túlio, que coordenou as investigações sobre o caso.

O grupo é suspeito de fornecer e distribuir a cetamina, além de incentivar e promover o uso da droga de forma recreativa. A Polícia Civil investigou se a morte de Djidja foi causada por overdose da substância.

O delegado convocou uma coletiva de imprensa para esta quinta-feira (20), onde deve passar mais informações sobre o fim das investigações.

Além da mãe e irmão de Djidja, estão presos funcionários do salão de beleza da família, o ex-namorado da empresária, o coach e ex-personal trainer da família, além de dois funcionários de uma clínica veterinária suspeita de fornecer a cetamina para o grupo.

A Justiça do Amazonas concedeu prisão domiciliar à maquiadora Claudiele Santos da Silva, ao maquiador Marlisson Vasconcelos Dantas e à um dos funcionários da clínica veterinária apontada como fornecedora de cetamina para a família de Djidja.

Confira abaixo quem são as pessoas que foram presas até o momento:

 

  • Ademar Farias Cardoso Neto, irmão de Djidja Cardoso.
  • Cleusimar Cardoso Rodrigues, mãe de Djidja.
  • Verônica da Costa Seixas, gerente do salão de beleza Belle Femme.
  • Marlisson Vasconcelos Dantas, cabeleireiro do mesmo salão.
  • Claudiele Santos da Silva, maquiadora do mesmo salão.
  • Bruno Roberto, ex-namorado de Djidja.
  • Hatus Silveira, se identificava como personal trainer de Djidja.
  • Dois funcionários da clínica veterinária suspeita de fornecer cetamina para a família Cardoso.
  • José Máximo de Oliveira, dono da clínica veterinária suspeita de fornecer cetamina para a família Cardoso.